Menu de páginas
RssFacebook
Menu categorias

Postado por em 14/07/2016 em Postagens | 0 comentários

O poder de estar presente

Nada substitui o olho no olho, o poder de um abraço, uma boa conversa, risadas. Sentir-se confiante nas redes sociais pode fazer de você alguém que sabe o que quer, que sabe o que dizer em variadas situações. Entretanto, pare e pense: com quantos desses seus amigos virtuais você sai com frequência? Com quantos você fala ao telefone? Você já foi à casa deles, conhece a família?

É claro que grande parte das redes sociais – se não todas – serve para fazer contatos profissionais, isso é certo. Mas dizer um cumprimento não resolve a vida de ninguém – virtualmente falando. No começo é até bacana. Mas, depois, torna-se algo automático e chatinho e você não sente mais que aquele sentimento é verdadeiro.

O poder de estar presente

Como posso me fazer presente?

Por tudo o que foi dito no parágrafo interior, é importante o poder de estar presente. É preciso que o indivíduo troque olhares com seus amigos, com aqueles que o rodeiam. Isso significa algo mais sincero e até, por que não, mais gostoso. Saber o que o seu amigo, colega, vizinho, parente etc. está fazendo naquele momento, como a vida dele está indo, não significa que você o conheça bem.

É preciso que você se faça presente, que você procure e se interesse realmente pelo próximo. Afinal, você não gostaria que fizessem o mesmo com você? Ou você quer passar o resto da vida atrás de uma tela, sem contato físico, sem ouvir a voz de alguém – o que, aliás, tornou-se algo difícil, não é? Quem liga para alguém hoje em dia? Quase nem pelo celular as pessoas estão ligando umas para as outras, apenas ficam trocando mensagens e mais mensagens. E isso não é só com amigos, certo? Quem não faz parte daquele grupo da família que troca mensagens o dia inteiro (muitas vezes com aqueles parentes distantes que você mal vê durante o ano)?

 

Mas eu tenho muitos amigos na minha rede de relacionamentos…

O ambiente virtual cria ilusões. E certa inveja. Como? Você pensa: ‘nossa, fulano está bem de vida, está trabalhando e ganhando bem. Além disso, vive viajando’. Mas será que isso é verdade? Será que não é só uma ilusão, um joguete da própria pessoa para que os outros pensem isso dela? Será que não está querendo atrair atenção para se sentir bem, para se sentir querido, para satisfazer o ego? Você não acha essa situação, no mínimo, triste?

Obviamente, a internet está lotada de coisas engraçadas, notícias, fotos e muitas outras coisas que você quer compartilhar com seu círculo de amizade. Contudo, até quando você pretende seguir assim? Não seria interessante também chamar seus amigos em casa e conversar por horas a fio? Disputar um jogo de tabuleiro bem legal e dar risadas? Comer algumas guloseimas, pizza?

Situações assim farão com que você tenha boas e gostosas lembranças. Afinal, na próxima vez ou daqui uns dez anos, alguém vai falar “puxa, lembram-se daquela noite na casa do fulano? Foi tão legal, demos muitas risadas. E aquela pipoca, que coisa deliciosa”. Enfim, esse é só um exemplo, imagine quantas coisas, situações e lembranças não podemos ter daqui para a frente se quisermos nos fazer presentes?

 

Passado, presente e futuro

A mente está sempre trabalhando, em qualquer hora, lugar e situação. Como? Ela nunca para, perceba que você está sempre entre o passado (lembrando-se de algo que aconteceu) e o futuro (pensando em tudo o que você quer, tudo que quer realizar etc.). Consegue, assim, entender quanta energia é gasta com foco no passado e no futuro?

Por isso, faça o presente acontecer. Pense no agora. Nas coisas que você está fazendo, realizando. Procure dar mais de si, estar presente. Sempre.

 

E aí, gostou do artigo? Restou alguma dúvida ou quer saber mais a respeito do tema? Escreva para a gente, e responderemos o quanto antes.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *